Heroes – 3×14 – A Clear and Present Danger

Publicado: 6 de fevereiro de 2009 em Heroes
Tags:, , , , , ,

Exibido em 02.02.2009 na NBC

Começa nesse episodio o quarto volume de Heroes, com o título de Fugitivos. A característica da série em se dividir em blocos sempre traz a esperança que ela possa tomar um rumo decente nesses recomeços.

Ainda é cedo para dizer qualquer coisa, mas, do que vemos aqui, dá para afirmar uma coisa: esses Heroes não possuem aptidão nenhuma para heróis. O tempo de reação deles ao perigo é terrivelmente lento, quando não beira a pura estupidez para quem já viveu algumas situações de risco.

O episódio apresenta quase nada de história. Em prática é o resumo do que Nathan disse ao final do volume passado: capturar as pessoas com habilidades e colocá-las em local seguro para eles e a população.

E o que se vê é uma equipe de elite atacando um a um os personagens conhecidos, sob o comando de um líder apenas nomeado como The Hunter (Zeljko Ivanek) e com a assistência do sempre dúbio Noah.

Para não dizer que eles não caem como moscas numa armadilha, temos Nikki, digo, Tracy e, pasmem, Mohinder, usando os poderes para contra-atacar. Mesmo assim são capturados, logo em seguida de um monólogo idiota.

Em suas tentativas de viver uma vida normal surge a Tracy sem uma contextualização do que fez nos últimos dois meses além de aparecer falando ao telefone com o governador. Mohinder aparece mais uma vez como taxista, numa cena pífia com Peter, que voltou também a ser paramédico.

Claire não consegue escolher uma faculdade interessante entre as melhores que existem. Parkman está naquela vidinha de casado com Daphne. Ambos trabalham, ela fazendo entregas pela cidade e ele como guarda noturno. O conflito familiar dessa vez é que Parkman não quer fazer uso de seus poderes para passar num concurso e Daphne prefere usar para acabar logo com o serviço diário. Enquanto discutem surge o africano, apenas para Parkman.

Em outro momento a aparição do Africano retorna e diz ao Parkman que ele tem uma nova jornada a fazer e que ele é o escolhido para ser o novo profeta!!! Parece que ele ficará com mais um plot fraco durante o volume. O que importa é que ele faz uns desenhos com os olhos cegos. Assim que termina de desenhar chega Claire para mais uma cena de emboscada. Ambos ficam observando os desenhos deles sendo atacados e nada de reagirem. É amnésia coletiva eles não lembrarem de Isaac Mendez? Ridículo.

Hiro também é capturado, mesmo estando com Ando no Japão. A piada da vez é Hiro tentar convencer, com roupas e veículos especiais, Ando a ser um herói. Fala sério. Ando sabiamente dá uma banana para o amigo e vai embora, mas graças a um localizador ele consegue descobrir para onde Hiro foi levado. E também os demais porque já surgem todos juntos. O que fica sem explicação é que o mapa que Ando observa indica que estão numa aparente base militar no norte da África. Como foram parar tão rápido lá?

Peter cai no papo do “bom irmão”… Ok, um escapa. Sylar. Lógico.Ele está na sua aventura de conhecer o verdadeiro pai. Primeiro ele descobre que o homem que abandonou-o com a mãe na verdade é o seu tio!!! Quando ele chega à casa do pai biológico é que atacado. E olha, ele é contido mas reage, revida e passar a fazer perguntas já serrando a cabeça de um pobre soldado. Somente um vilão para não ser panaca nessa série.

E para não dizer que são passivos por completo eles tentam escapar de um avião que os levaria para algum lugar não revelado. Graças à benevolência de Nathan, Claire é poupada do confinamento sendo mandada para casa, para vovó Petrelli. Claro que ela foge e invade o avião. Já em pleno voo, ela livra Peter, que absorve os poderes de Mohinder e Tracy. No embate contra os soldados ele acaba abrindo um buraco na fuselagem.

Avião caindo, Peter quase sendo expelido para fora por causa da pressão e o episódio acaba. O resultado é um dos recomeços mais lentos de todos, predominando a apatia dos personagens e deixando claro que boas cenas e bons diálogos estão longe de serem norma. A direção também não se dá bem em abusar do recurso de deixar a câmera atrás de vidros, cortinas, numa visão subjetiva de quem acompanha as cenas.

Nota desse episódio: **

Expectativa para o próximo: ***

Roteiro: Tim Kring

Direção: Greg Yaitanes

Audiência:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s