Heroes – 3×18 – Exposed

Publicado: 29 de maio de 2009 em Heroes
Tags:, , , , ,

Exibido em 02.03.2009 na NBC

Um episódio onde a Claire se destaca não dá para considerar com um dos melhores da série. È o que acontece em “Exposed”, onde se expõem os defeitos de Heroes.

Heroes com certeza é um show de ação, ou deveria ser, já que os personagens principais são seres dotados de grandes poderes. Depois de três temporadas e alguns volumes fica cada vez mais a certeza que o que mais atrapalha a trama são os poderes. Sempre usados de forma desajeitada.

Para se ter uma ideia Claire não usou seu poder em nenhum momento. Isso nem é novidade, em outros episódios ela já tentou ser esperta sem a necessidade de usar suas habilidades. Aqui, nem isso. Durante os primeiros minutos parecia que estávamos assistindo a uma comédia adolescente ou um drama mediano, quando da tentativa da ursinho esconder Alex Woolsey no armário. Depois de uma repreensão natural e esperada de mãe, Sandra passa a ser a garota inteligente, desde falsificando uma carteira de motorista para Alex até ludibriando uma dupla de agentes do serviço secreto com o velho truque do carro-que-desvia-a-atenção-da-fuga-atrás-da-casa. Não faltou também o clichê de esconder o pobre coitado num buraco na parede.

Tudo isso para a escapada dar errado quando eles fazem um barulho ao pular o muro e, lógico, os agentes correrem atrás, deixando Sandra com um sorriso de dever cumprido. Claire e Alex até se desequilibram e rolam um barranco para dar vazão ao encontro de lábios. Mas o beijo mesmo só acontece quando o serviço secreto está para pegá-los e eles tem a brilhante ideia de se afundarem na piscina do vizinho para se esconder. E opa, uso de poder de Alex, que é capaz de respirar dentro d’água e então pode salvar, com um beijo, a sua companheira. Ué, mas ela não é imortal? Bastava deixar ela afogada ali do lado e tirar da água depois. Uma cena de tensão foi jogada fora para dar lugar a uma romântica.

Falando em romantismo Parkman só pensa em salvar Daphne. De novo. Então lá vai ele e Peter para edifício 26, graças a uma dica do Rebel, que os salva de serem pegos por outra dupla de agentes. Aliás, cadê aquelas equipes de elite que tentavam pegar os heroes? Não seriam mais eficazes?

Quando chegam ao edifício 26 vem a derrapada. Peter descarta seu poder de vôo e copia, no lugar, o controle de mentes de Parkman. Pra quê? Para o roteiro justificar a prisão do ex-policial, aliás, numa situação ridícula, onde poderiam ter fugido com folga, porque Rebel mais uma vez ajudou. E o misterioso Rebel é a força inteligência entre tantas patetadas. Tenho um palpite que Rebel seja o Mika, já que invade computadores e celulares. Ou não somente ele, com uma ajuda de mãe Petrelli para (não) variar, já que aquele que não sabemos quem é entrega de bandeja a Peter vídeos que comprometem toda a operação de Nathan e Danko. Um prato cheio para a imprensa.

Ah, sim, por causa dessas provas, mais uma vez Danko tenta capturar ou matar Peter. E nas facilidades do roteiro, Peter não pode voar e o militar vai sem uma equipe tática, apenas com um rifle. O dúbio Noah dá uma força e Peter se salva com um arranhão de tiro no braço. Mais uma briga de gato e rato sem graça, sem emoção e com final previsível.

As surpresas ficaram para o fim, como sempre. Angela  sussura algo para Nathan, dizendo que o jogo mudou. Pela enéssima vez na série. Lá na casa dos Bennets ressurge Eric Doyle à convite de Rebel. E Parkman é usado, por Danko, como homem-bomba, uma ironia do próprio quadro de pintou.

Sylar e Luke passaram o episódio inteiro enrolando sua trama. Num momento clichê (outro) Sylar para numa lanchonete abandonada e começa a ter lembranças de quando era criança. Muito forçado. Ou mais forçado seria ele usar sua telecinese para ficar arrancando pedaços de madeira pregados numa porta e jogar em cima de Luke? Tanto faz, ele consegue lembrar que o pai o vendeu para alguém e depois matou a mãe, com aquele mesmo método de abrir o crânio. Fica mais uma vez a pergunta: o que isso tem a ver com o resto da série? Ok, ok, no fim das contas o pai de Sylar será alguém por trás de Angela. Dá para imaginar algo menos óbvio?

Nota desse episódio: **

Expectativa para o próximo episódio: *

Roteiro: Adam Armus & Kay Foster

Direção: Eric Laneuville

Audiência:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s