Cinquentinha – 1×01

Publicado: 9 de dezembro de 2009 em Cinquentinha, Minissérie
Tags:, , , , , ,

Exibido em 08.12.2009 na Globo

Aguinaldo Silva foi o autor da primeira minissérie da Globo, com Lampião e Maria Bonita em 1982. Depois escreveu mais outras quatro até 1990. E agora, depois de se dedicar exclusivamente as novelas, volta ao gênero com Cinquentinha.

Essa nova minissérie chamou muito a atenção na pré-produção. Nem tanto pela história narrada, mas sim por problemas de elenco, onde várias atrizes e atores desistiram de seus personagens, quanto por definição do que é de fato uma minissérie. No princípio, Cinquentinha era tida como um seriado semanal.Vendo a estreia podemos dizer que a obra nem é minissérie, seriado, ou série, que seja: não passa de uma novela.

Quem está acostumado a assistir as novelas do autor reconhece o ritmo dos núcleos cômicos, principalmente quando os personagens começam a falar alto demais (quase aos berros) e aquela confusão de vários personagens em cena em atuação acima do tom. Nada é sutil.

Cinquentinha se refere a metade da herança que uma das ex-esposas do empresário Daniel, vivido por José Wilker, terão que disputar. Isso já era sabido desde as várias promos exibidas pela emissora. Por conta disso se gasta longos minutos na apresentação das três personagens femininas principais da trama em vez de dizer a que veio o programa.

Lara Romero (Suzana Vieira) é uma atriz em decadência que se acha a maior de todas. Se a graça era uma comparação com a própria intérprete começa e acaba no mesmo instante. Tanto que ela ter como amante o motorista, Edson (RogerioBarros), que tem um visual anos 1970, é muito mais divertido, embora seja também uma referência a Crepúsculo dos Deuses.

Marina Santoro (Marília Gabriela) é uma fotógrafa no auge. Aqui também a um gracejo com a personagem gostar de homens mais jovens. Difere que desse mote vem um toque dramático (seu neto) no meio da comédia. E o lado efetivamente cômico recai sobre sua velada opção sexual.

Depois dessas duas apresentações Cinquentinha já se enquadra numa tentativa de abordar a diversidade no sexo. E virá mais, pois já se sabe que a minissérie terá um vilão gay. Por enquanto é o único elemento (o sexo) que traz alguma novidade a essa produção. Ok, numa novela, na sua faixa de horário, não haveria nada disso.

No lado mais clichê fica a terceira ex. Rejane Batista (Betty Lago) nem é bem definida, no máximo como uma hippie tardia. Fora sua pindaíba somente se apresenta seu problema com a neta, Vanessa (Tatiane Goulart), que se envolve com um favelado, o Olhão (Fabrício Santiago).

Há uma quarta mulher, uma amante, interpretada por Maria Padilha, que surge numa rápida cena, quando ela recebe um telefonema de Daniel. Provavelmente é a mãe do vilão da trama. Por hora, apenas um mistério no ar.

A cena final do capítulo expõe um clímax que já se sabe no que dará. Elas irão se engalfinhar até não poder mais tentando nos fazer rir. Não que o texto venda isso, tudo foi estabelecido pelas várias promos antes da estreia. Num esquema promocional bem típico de novela, para variar.

Cinquentinha é um produto que caminha para ser esquecido logo após a exibição. Tanto pelo texto quanto pela direção, que não apresenta nada de novo, ou melhor, nem tenta. Pode melhorar é verdade. E já se fala numa nova temporada para 2010. Ué, mas não era para ser uma minissérie e não um seriado?

Nota desse episódio: **

Expectativa para o próximo episódio: **

Roteiro: Aguinaldo Silva

Direção: Wolf Maya

Audiência: 24 pontos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s